21 de ago de 2009

A crônica do noticiário

Desde a última vez em que consegui relatar as tramas e entranhas da notícia, muita coisa aconteceu.

Michael Jackson se foi deixando Tim Maia morto de inveja: deu cano na turnê de despedida e ainda vendeu ingressos pro funeral. Gênio.

A internet foi oficialmente inaugurada como palco dos escândalos na Paraíba. Primeiro, um padre foi descoberto fazendo participação especial numa suruba no interior do Estado, depois, o assassino da chacina do Rangel apareceu tomando porrada no youtube: há quem diga que essa foi a mais eficaz ação do Governo da Paraíba na área de segurança publica. Perguntado sobre o episódio, o Governador Maranhão contemporizou: -"Eu tenho é pena dele."

Em Brasília, depois que Lina Vieira encarnou o espírito de Francenildo, Antônio Pallocci surge como nova opção do Lulismo pra 2010. Em sua defesa, a Miss Simpatia, Dilma Roussef abriu o verbo: cada povo tem o caseiro que merece.

No futebol, a torcida do Corinthians fez um minuto de silêncio pela morte de Andrea Albertini, o Fluminense pelo segundo ano consecutivo brinca no Brasileiro e o São Paulo se inspira na proposta de terceiro mandato do Lula para ser tetra em 2009.

Na fórmula 1, após o acidente, além do risco de perder a vaga no cockpit da Ferrari, Felipe Massa morre de medo de assumir o lugar de Luciano Burti nas transmissões da Globo: haja coração! Nelsinho Piquet foi saído da Renault e Rubinho que ficou aliviado com a ex-volta do alemão, teve que engolir Usain Bolt.

No Senado, o Conselho de Ética arquivou todas as denúncias contra Sarney e confirmou o velho adágio: conselho bom não se dá, se vende. Mais tarde, a Bela Adormecida acordou com um beijo do sapo barbudo: Aloísio Mercadante foi dormir prometendo que era ex-líder do PT e acordou mais líder do que nunca.

No Brasil até os escândalos são desmoralizados. E assim nasce e morre a indignação nossa de cada dia: os acusados são absolvidos com suas honras e patrimônios lavados à base de dinheiro.