11 de mar de 2015

Não era só por 20 centavos e 7x1 foi pouco.


Após o resultado das eleições, cansei de ler muita gente fazer pouco caso das manifestações de junho de 2013. “O gigante acordou, abriu a porta da geladeira, coçou a bunda e voltou a dormir”.

O que ninguém tem coragem de admitir é que foram os desocupados do Movimento Passe Livre, os primeiros a colocar pulgas atrás da orelha de um país novorriquista cheio de esqueletos no armário. Enquanto alguns chatos pegavam no pé dos gastos com a Copa, a maioria surfava de boa na maré da economia aquecida, trocando seu carro de ano em ano sob as bênçãos da redução do IPI. Estava tudo dois!

Quando o MPL deu início aos protestos reclamando do transporte público, contrapondo a ideia geral de que estava tudo andando e jogando luz sobre as péssimas condições de mobilidade das principais cidades brasileiras, a reação da maioria foi o de sempre: “filhinhos de papai atrapalhando a vida de quem precisa trabalhar” ou os coliformes verbais de Arnaldo Jabor comparando os protestos com as ações do PCC em 2006.

Acabada a eleição que dividiu o país entre coxinhas e petralhas, foi preciso subir a gasolina do SUV, o Eike Batista falir e o Dólar virar Euro, para a classe social, a qual me incluo, descobrir pela primeira vez que vivemos em um país escroto. Um país que melhorou em alguns aspectos, mas que continua dinheirista, mal-educado e desumano principalmente contra quem não tem onde cair morto.

Agora, que a rua foi legitimada como local para o protesto, vamos todos gritar e bater a nossa panela contra a sacanagem instituída, mas acho que seria de bom tom lembrar a rapaziada que começou tudo lá atrás, em junho de 2013. Eles tinham razão, porra: não era só por 20 centavos e 7x1 foi pouco!



Nenhum comentário: