21 de jun de 2011

Crônica do noticiário e as notas noticiosas


Biodesagradável

Quando Chico César negou o forró de plástico sabia o que estava fazendo. Como se sabe, plástico é material de difícil decomposição, não figura nem no cardápio de micro-organismos. Já o forró, orgânico por natureza, é filho legítimo do ritmo: faz bater do coração às coxas.

Na mesma moeda?

Em João Pessoa, consumidores insatisfeitos com o preço abusivo dos combustíveis resolveram protestar de uma maneira inusitadamente criativa: formaram filas em frente aos postos mais caros para...abastecer.

Na mesma moeda 2?

Insatisfeito com o tratamento dispensado pelo Sistema Paraíba de Comunicação, o Governo do Estado deu o troco: pautou de graça o principal concorrente, o Sistema Correio. O furo, revelado pelo Jornal Correio da Paraíba, foi o suposto perdão de uma dívida do Grupo São Braz com a Receita Estadual no valor de R$ 7,5 milhões. Fogo amigo de chumbo trocado não doi.

Mata a cobra, mas nada de mostrar o pau como mandam as tradições islâmicas

Inimigo número 1 da civilização ocidental, pivô do maior ataque terrorista da história e responsável pelas únicas guerras do século XXI, Osama Bin Laden foi-se sem dar o ar da graça.

A casa caiu

Depois de ser pego na mentira pelo caseiro Francenildo, Antônio Palocci passou por um período sabático na Câmara dos Deputados. Foram-se os anéis, mas Palocci virou coordenador da vencedora campanha presidencial de Dilma Roussef e ganhou o status de "primeiro ministro" na Casa Civil. Mas, eis que o "Pelé foi para o banco de reservas" refrescando as parcas lembranças desse povo desmemoriado: não conseguiu justificar o aumento de seu patrimônio em um ritmo "juscelínico" de 20 vezes em apenas quatro anos.

A Copa na cozinha

Abalada pelos seguidos escândalos de corrupção, a Fifa mantem seu prestígio no Brasil. Preocupado com o ritmo das obras para a Copa de 2014, o Governo Federal editou e aprovou a Medida Provisória 521 que cria um novo eufemismo para licitações feitas em toque de caixa: regime diferenciado de contratações públicas. Agora vai!

Nenhum comentário: